14 de Maio de 2014 / às 17:38 / 3 anos atrás

AstraZeneca vê preço e estrutura da Pfizer como barreiras a acordo

LONDRES (Reuters) - O chefe de AstraZeneca disse nesta quarta-feira que se associaria à Pfizer se o preço estivesse certo e se os riscos decorrentes de forçar as operações da farmacêutica britânica no novo modelo de três unidades da empresa norte-americana fossem discutidos.

O presidente-executivo Pascal Soriot salientou que sua empresa tem um futuro brilhante como uma companhia independente, mas reconheceu que os acionistas devem esperar que o Conselho da AstraZeneca negocie se os termos forem suficientemente atraentes em uma oferta melhorada.

"Se a oferta estivesse refletindo o valor da empresa, mas também abordasse alguns aspectos da integração, o modelo operacional e os riscos de execução com os quais estamos preocupados, então nós certamente deveríamos nos comprometer - não há dúvida", disse o executivo em entrevista à Reuters.

A Pfizer fez uma proposta de compra em dinheiro e ações em 2 de maio no valor de 50 libras por ação para criar a maior empresa de medicamentos do mundo, avaliando a AstraZeneca em 106 bilhões de dólares. Mas a oferta foi prontamente descartada pelo grupo britânico, uma decisão que Soriot disse ter contado com o apoio firme dos investidores.

"Não há um único acionista que tenha me dito, a nosso vice-presidente financeiro ou ao presidente do Conselho que deveríamos ter aceitado a oferta", afirmou.

Soriot já apresentou sua visão para um futuro independente para a AstraZeneca baseado em uma promissora série de novas drogas, mas deixou a porta entreaberta para uma oferta mais atraente.

Além do preço e da parte em dinheiro em qualquer oferta melhorada, Soriot também disse que a AstraZeneca precisaria de garantias sobre os riscos enfrentados pela Pfizer na implementação de uma fusão complexa e na integração de operações de duas grandes organizações.

Em particular, ele destacou os problemas impostos pelo fato de a Pfizer agora separar suas operações em três unidades de negócios - uma estrutura que iria colidir com a da AstraZeneca, onde a unidade de biotecnologia, por exemplo, serve a todas as partes do grupo.

Ele também está preocupado com a diluição do foco em ciência em um novo grupo e com o risco de reputação no controverso plano da Pfizer de ter domicílio na Grã-Bretanha a fim de reduzir seus encargos fiscais.

"Todas essas questões precisarão ser discutidas, mas o primeiro passo é chegar a uma oferta que reflita o valor da empresa", disse Soriot.

Por Ben Hirschler

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below