COLUNA-Pessoa física usa pesquisa eleitoral para sair da Bovespa

segunda-feira, 19 de maio de 2014 10:05 BRT
 

- (O autor é editor-chefe do Serviço Brasileiro da Reuters. As opiniões expressas são do autor do texto)

Por Cesar Bianconi

SÃO PAULO (Reuters) - Se há um investidor pessimista com as perspectivas para o Brasil, é a pessoa física. Ela tem usado a divulgação de pesquisas eleitorais como pretexto para sair de ações.

Desde o fim de março, dia que antecede a divulgação de pesquisa eleitoral que possa mostrar queda da popularidade ou das intenções de voto em Dilma Rousseff e dia de divulgação de pesquisa eleitoral que mostre queda da popularidade ou das intenções de voto da presidente são sinônimos de rali na Bovespa.

E a máxima nesses dias têm se repetido: o estrangeiro entra na bolsa paulista e a pessoa física sai, aproveitando para realizar lucro.

A análise dos dados de fluxo de recursos para o mercado acionário local mostra esse comportamento padrão até aqui.

Em 27 de março, sondagem CNI/Ibope mostrou a primeira queda da aprovação do governo Dilma desde o meio do ano passado, quando manifestações tomaram as ruas das principais capitais do país com a população reivindicando melhoria da educação, saúde e transportes.

Naquele pregão de março, o Ibovespa disparou 3,5 por cento e as matérias sobre a bolsa nos principais veículos traziam no título a pesquisa como motivo para explicar a valorização, que foi puxada por ações de estatais federais como Petrobras e Eletrobras.   Continuação...