Falta de liquidez preocupa mercado livre de energia

terça-feira, 20 de maio de 2014 18:16 BRT
 

Por Anna Flávia Rochas e Leonardo Goy

SÃO PAULO (Reuters) - A falta de liquidez no mercado livre preocupa agentes do setor elétrico e a consultoria especializada PSR, alertou nesta terça-feira que esse ambiente de comercialização de energia poderá ter insuficiência de oferta em 2016.

O problema de liquidez já ocorre, segundo agentes que trabalham com o mercado livre, e a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia Elétrica (Abraceel) está preparando uma proposta de financiamento de projetos de geração voltado para a expansão da oferta ao mercado livre.

A proposta deverá ser apresentada ao BNDES em junho, informou o presidente da Abraceel, Reginaldo Medeiros, nesta terça-feira, durante evento da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Atualmente, o mercado livre representa cerca de 27 por cento do consumo de energia do país e nesse ambiente de contratação está a maior parte da grande indústria brasileira.

A falta de liquidez no mercado livre ocorre por diversos fatores, incluindo o fato da renovação antecipada das concessões de geração em 2012 ter direcionado energia mais barata das usinas apenas para o mercado regulado, aquele atendido pelas distribuidoras de energia.

Agregado a isso, o forte preço de energia de curto prazo atualmente faz com que geradoras com energia disponível para venda prefiram liquidar essa energia no curtíssimo prazo, com base no Preço de Liquidação e Diferenças (PLD), que está no topo de 822,83 reais por megawatt-hora, na maior parte das regiões.

O diretor da consultoria especializada no setor elétrico PSR, Marco Antônio Oliveira, disse que o problema de liquidez no mercado livre pode ocorrer mais fortemente a partir de 2015 diante do atraso da oferta de energia e também pela distribuição de eletricidade das concessões renovadas no regime de cotas para o mercado regulado.

Ele acrescentou que o mercado livre poderia até ficar sem oferta suficiente em 2016, segundo cenários apresentados, que consideram também que a energia de hidrelétricas da Cemig incluídas nas regras de renovação das concessões do governo federal em 2012 siga para o mercado regulado.   Continuação...