Economia alemã deve desacelerar após trimestre mais forte em 3 anos no 1º tri

sexta-feira, 23 de maio de 2014 09:55 BRT
 

Por Annika Breidthardt

BERLIM (Reuters) - A economia da Alemanha cresceu a seu ritmo mais rápido em três anos no primeiro trimestre, impulsionada por fatores domésticos, enquanto que um indicador de confiança sinalizou que a expansão na maior economia da Europa deve desacelerar. Um forte investimento e consumidores gastando mais livremente levaram a economia alemã a uma taxa de crescimento trimestral de 0,8 por cento, em números ajustados sazonalmente, segundo a Agência Federal de Estatísticas. A taxa foi duas vezes superior à registrada no último trimestre do ano passado, e significa que a Alemanha foi o motor de crescimento da zona do euro.

O crescimento foi auxiliado por um inverno mais ameno do que o normal, o que significou que a habitual retomada na primavera alemã foi antecipada. As exportações, a sustentação tradicional da economia alemã, pesaram sobre o crescimento"O ímpeto positivo veio exclusivamente de dentro do país na comparação em base trimestral", disse a agência. Economistas e o governo esperam que o crescimento desacelere após o primeiro trimestre forte. O governo vê a economia alemã se expandindo 1,8 por cento este ano, uma queda ante a taxa de crescimento anual de 2,5 por cento no primeiro trimestre. O indicador alemão de confiança empresarial, o índice Ifo, também indicou nesta sexta-feira taxa de crescimento reduzida, ao cair em maio para o menor nível até agora neste ano, ficando abaixo das expectativas ao recuar para 110,4 ante 111,2 em abril.

No primeiro trimestre, o investimento em fábricas e equipamentos na Alemanha cresceu 3,3 por cento, o nível mais forte em 3 anos e meio, enquanto que o investimento em construção, com alta de 3,6 por cento, foi o mais forte no trimestre em três anos.

A demanda doméstica acrescentou 1,7 ponto percentual ao PIB no primeiro trimestre, enquanto que o comércio exterior subtraiu 0,9 ponto percentual. O consumo privado somou outros 0,4 ponto percentual.