Dólar sobe e vai a R$2,22, ainda sob expectativa de menor intervenção do BC

sexta-feira, 23 de maio de 2014 17:11 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta ante o real nesta sexta-feira pela segunda sessão consecutiva, ainda sob a expectativa de que o Banco Central vai reduzir ou encerrar suas intervenções diárias no câmbio a partir do meio do ano.

A moeda norte-americana subiu 0,37 por cento, a 2,2240 reais na venda, após avançar 0,24 por cento na sessão anterior. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,5 bilhão de dólares.

Na semana, a moeda dos EUA acumulou valorização de 0,47 por cento.

"Se o BC vai renovar o programa (de hedge cambial) ou não depende do nível do dólar. A 2,20 reais, ele não renova, a 2,30 reais, ele renova", disse o especialista em câmbio da corretora Icap, Italo Abucater. "Mas ficou claro que o BC vai se defender contra a depreciação do dólar, com um olho no nível de 2,20 reais".

O presidente do BC, Alexandre Tombini, afirmou na véspera que percebe "certo arrefecimento" na demanda por swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, a pouco mais de um mês do fim da atual fase de programa de leilões diários.

A declaração reforçou a percepção de que o BC não quer a moeda dos EUA abaixo de 2,20 reais, temendo impactos adversos sobre as exportações, apesar do alívio inflacionário trazido pelo dólar barato. Desde o início do abril, a divisa norte-americana tem oscilado entre 2,20 e 2,25 reais, num cenário de entrada de recursos externos.

"Daqui para frente, mais do que antes, o dólar vai dar um repique toda vez que chegar em 2,20 reais", afirmou o superintendente de câmbio da corretora Advanced, Reginaldo Siaca.

Nesta manhã, a autoridade monetária vendeu a oferta total de swaps no leilão diário, todos com vencimento em 2 de fevereiro do próximo ano e volume equivalente a 198,4 milhões de dólares. Também ofertou contratos para 1º de dezembro deste ano, mas não vendeu nenhum.

Em seguida, também vendeu a oferta total de swaps em leilão de rolagem. Até agora, foram rolados pouco menos de 40 por cento do lote total que vence no próximo mês, equivalente a 9,653 bilhões de dólares.

No exterior, dólar foi perto das máximas em três meses contra o euro, após dados fracos sobre a Alemanha intensificarem a pressão para que o Banco Central Europeu (BCE) tome medidas expansionistas em breve.