Governo diz que não haverá venda de café dos estoques públicos

sexta-feira, 23 de maio de 2014 19:07 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O governo brasileiro não venderá os seus estoques públicos de café, ainda mais neste momento em que os produtores estão no início da colheita de uma nova safra, afirmou nesta sexta-feira o ministro da Agricultura, Neri Geller, por meio da sua assessoria de imprensa.

A afirmação foi feita após a publicação no Diário Oficial da União, na quarta-feira, de uma resolução que autoriza a venda de 397.147 sacas de 60 kg de café detido pelo governo --o volume representa cerca de 25 por cento dos estoques governamentais do produto, que somam aproximadamente 1,6 milhão de sacas.

"Não vai ser vendido café", disse o ministro, segundo seu assessor de imprensa.

De acordo com ele, a autorização para venda não significa que o produto será efetivamente vendido. O ministro fez a declaração após receber contatos do setor produtivo.

"Alertado por nós, o ministro Neri Geller, compreendendo o efeito nefasto da medida, assumiu o compromisso de revogar este ato", afirmou em nota o Conselho Nacional do Café (CNC) nesta sexta-feira.

Vendas de café dos estoques públicos pelo governo do maior produtor e exportador global poderiam pressionar os preços da commodity, embora o volume apontado seja relativamente pequeno perto do tamanho da safra nacional.

Em abril deste ano, quando os preços do café arábica atingiram o maior nível em mais de dois anos na bolsa de Nova York, em função das notícias da quebra de safra no Brasil pela seca, o CNC chegou a sugerir a venda de estoques governamentais, como forma de evitar grande volatilidade nos preços. [ID:nL2N0N31B9]

Mas tal medida não deveria ser tomada em plena colheita.

Há quem considere entre os produtores que o governo deveria vender o café dos estoques públicos apenas no início do ano que vem, quando a colheita de uma safra pequena já estiver concluída, e os estoques estiverem baixos.   Continuação...