Guiné assina acordo com Rio Tinto e Chinalco para projeto de US$20 bi

segunda-feira, 26 de maio de 2014 17:49 BRT
 

CONAKRY (Reuters) - A Guiné assinou nesta segunda-feira um acordo com a Rio Tinto, a Chinalco ​​e com a International Finance Corporation estabelecendo condições para o investimento de infraestrutura para reviver um projeto gigante de 20 bilhões dólares do projeto de minério de ferro de Simandou.

O acordo não definiu uma data para o início da produção na mina da Guiné há muito adiado, mas ele estabeleceu a realização de um estudo de viabilidade dentro de um ano detalhando custos e um cronograma.

Para exportar o minério de alta qualidade a partir de Simandou Sul, o projeto exige a construção de uma ferrovia de 650 quilômetros pela selva do país do oeste africano, a um custo estimado de pelo menos 7 bilhões de dólares.

Ele também precisa de um porto de águas profundas em Morebaya, avaliado em mais 4 bilhões de dólares, enquanto as infraestruturas de apoio têm custo estimado mínimo de 2,5 bilhões de dólares, segundo documentos vistos pela Reuters.

O porto e ferrovia eventualmente teriam que ser expandidos para suportar até 100 milhões de toneladas de minério por ano.

Seria o maior projeto de minério de ferro combinado a projeto de infraestrutura na África.

O governo do presidente Alpha Conde esperava inicialmente obter financiamento suficiente nos mercados internacionais para manter uma participação de 51 por cento nos projetos ferroviários e portuários, mas o acordo desta segunda-feira foi o reconhecimento de que seria difícil levantar as enormes quantias de dinheiro requeridas.

"Este é um passo decisivo para a concretização deste projeto", disse o porta-voz do governo do país Damantang Albert Camara. "Isso levará a estudos de viabilidade que permitam buscar financiamento para esse projeto."

A Guiné detém atualmente 7,5 por cento da companhia que opera a concessão da área sul de Simandou. Esse percentual subirá para 15 por cento quando começar a produção.   Continuação...