Manifestantes queimam veículos em mina de níquel da Vale em Nova Caledônia

terça-feira, 27 de maio de 2014 07:37 BRT
 

SYDNEY (Reuters) - Manifestantes incendiaram veículos, equipamentos e edifícios em uma mina de níquel da Vale no território francês do Pacífico da Nova Caledônia no fim de semana, com a raiva aumentando em relação a um vazamento químico em um rio local.

A unidade de 6 bilhões de dólares da Vale em Goro, no sul da Nova Caledônia, foi fechada neste mês após um vazamento de cerca de 100 mil litros de efluentes ácidos contaminados que matou cerca de 1.000 peixes e provocou novos protestos na mina.

A unidade da Vale tem uma meta de produção de 60 mil toneladas de níquel em plena capacidade, em comparação com a oferta global de cerca de 2 milhões de toneladas. Mas tem sido assolada por problemas nos últimos anos, incluindo vários vazamentos de produtos químicos e protestos violentos.

As tensões entre a população local e a Vale intensificou-se no fim de semana com os jovens manifestantes frustrados com o mais recente derramamento da gigante brasileira e a falta de resposta dos chefes indígenas Kanak, segundo a imprensa local. Imagens de televisão mostraram veículos de mineração e equipamentos queimados.

"Houve danos ao local, mas nenhum dano à unidade. Nós tivemos veículos queimados, um prédio da administração foi danificado, mas nenhum dano à unidade em si", disse o porta-voz da Vale, Cory McPhee, à Reuters.

Peter Poppinga, diretor-executivo da Vale, disse ao jornal Les Nouvelles Caledoniennes que os danos ao local de mineração eram estimados em pelo menos 20 milhões a 30 milhões de dólares, incluindo a destruição de talvez um terço da frota de caminhões.

"Se não houver nenhuma atividade por vários meses, vamos fechar a unidade, mas este não é o caso. O fechamento da unidade não está sendo considerado", disse Poppinga, de acordo com o jornal.

Não foi possível verificar independentemente o tamanho dos danos.

Mineração de níquel é uma indústria importante na Nova Caledônia, que detém um quarto das reservas conhecidas do mundo. A unidade da Vale é a segundo maior empregadora na província do sul, com cerca de 3.500 empregados e terceirizados, incluindo um grande número de trabalhadores filipinos.   Continuação...