Dólar cai com fluxo positivo e após se aproximar de R$2,25

quarta-feira, 28 de maio de 2014 17:11 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda nesta quarta-feira, com fluxos positivos de recursos externos ao Brasil e após se aproximar do teto informal de 2,25 reais no início do pregão.

A forte queda nos juros dos títulos norte-americanos nesta sessão aumentou a atratividade dos altos rendimentos oferecidos por papéis brasileiros, com a Selic a 11 por cento. O apetite dos investidores cresceu mesmo com as expectativas de que o Banco Central manterá a taxa básica de juros nesta quarta-feira.

A moeda norte-americana recuou 0,23 por cento, a 2,2355 reais na venda, após chegar a 2,2480 reais na máxima da sessão. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,7 bilhão de dólares.

"Os (título dos EUA de) 10 anos estão num nível que o mercado não esperava há algumas semanas. O pessoal está colocando na conta que eles não vão voltar a subir tão cedo", disse o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues.

O rendimento dos Treasuries recuava à mínima em quase 1 ano nesta sessão, refletindo expectativas de novos estímulos monetários do Banco Central Europeu (BCE). Essa perspectiva também ajudava o dólar a subir ante o euro, que era negociado no menor nível desde meados de fevereiro.

Mesmo assim, investidores não arriscavam promover grandes oscilações no câmbio brasileiro.

"O mercado está respeitando o nível de 2,25 reais acima e o nível de 2,20 reais abaixo. Isso significa que não há muito espaço para grandes operações, especialmente num dia como hoje, de Copom", afirmou o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

O dólar vem oscilando entre 2,20 e 2,25 reais desde o início de abril, refletindo a constante presença do BC no câmbio. Boa parte do mercado acredita que esse intervalo é agradável à autoridade monetária, pois não é inflacionário e, ao mesmo tempo, não prejudica as exportações.   Continuação...