STF adia julgamento de planos e bancos impulsionam Bovespa em quase 1%

quarta-feira, 28 de maio de 2014 18:09 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa encerrou esta quarta-feira em alta de quase 1 por cento, sustentada pelas ações da Petrobras e de bancos, após o Supremo Tribunal Federal (STF) adiar julgamento sobre as perdas da poupança geradas por planos econômicos das décadas de 1980 e 1990.

O Ibovespa subiu 0,89 por cento, a 52.639 pontos. O giro financeiro do pregão totalizou 5,5 bilhões de reais.

O índice chegou a registrar alta de 1,3 por cento logo depois do início da sessão no STF e a ação do Banco do Brasil atingiu valorização superior a 4 por cento, antes de arrefecer e fechar com avanço de 3,37 por cento.

O mercado já antecipava o adiamento do julgamento, decidido de maneira unânime pelos ministros do STF. O caso ameaça bancos públicos e privados do país a pagarem indenizações a poupadores que podem chegar a bilhões de reais.

"Por ora, as ações dos bancos vão dar uma acalmada", disse o sócio da Órama Investimentos Álvaro Bandeira. "Mas esse caso ainda vai durar muito tempo e trazer estresse, pois as discussões são inúmeras e as estimativas vão desde valores pagáveis já provisionados pelos bancos até cerca de 340 bilhões de reais", disse.

Para Bandeira, a alta do Ibovespa neste pregão também teve um componente de correção. Na terça-feira, o índice caiu 1,44 por cento, descolado das bolsas de Wall Street, onde o índice Standard & Poor's 500 fechou na máxima histórica pela segunda sessão seguida.

Na bolsa brasileira, a ação da construtora MRV teve a maior alta do dia, de 4,3 por cento, em meio à expectativa de que a companhia seja beneficiada com o anúncio da meta da terceira etapa do programa habitacional do governo federal Minha Casa, Minha Vida.

Na ponta negativa, as siderúrgicas CSN e Usiminas foram destaques de baixa e a preferencial da mineradora Vale caiu.   Continuação...