IGP-M tem queda de 0,13% em maio com deflação no atacado, diz FGV

quinta-feira, 29 de maio de 2014 08:42 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) caiu 0,13 por cento em maio, após alta de 0,78 por cento em abril, em meio à deflação dos preços no atacado, de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira. A expectativa em pesquisa da Reuters era de variação negativa de 0,01 por cento, segundo a mediana de 25 projeções. Na segunda prévia de maio o indicador tinha registrado variação negativa de 0,04 por cento. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede a variação dos preços no atacado e responde por 60 por cento do índice geral, teve recuo de 0,65 por cento em maio, após avanço de 0,79 por cento no mês anterior. O destaque ficou para a deflação de 0,68 por cento dos produtos agropecuários, após alta de 2 por cento no mês anterior. Já o Índice de Preços ao Consumidor, com peso de 30 por cento no IGP-M, avançou 0,68 por cento, ante alta de 0,82 por cento em abril. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), por sua vez, subiu 1,37 por cento, acelerando ante a alta de 0,67 por cento vista anteriormente. O INCC responde por 10 por cento do IGP. Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu manter, "neste momento", a taxa básica de juros em 11 por cento ao ano, encerrando o ciclo de aperto monetário, ainda que a inflação ao consumidor siga em níveis elevados.

Dirigentes do BC têm argumentado que os efeitos da política monetária ocorrem com "defasagens" e que a recente inflação nos preços dos alimentos é temporária. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de energia elétrica e aluguel de imóveis.

(Por Camila Moreira; Edição de Marcela Ayres)