Economia dos EUA tem contração no 1º tri por estoques e comércio exterior

quinta-feira, 29 de maio de 2014 10:03 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - A economia dos Estados Unidos contraiu no primeiro trimestre pela primeira vez em três anos devido ao inverno rigoroso, mas há sinais de que a atividade se recuperou desde então.

O Departamento do Comércio revisou para baixo, nesta quinta-feira, sua estimativa sobre a atividade para mostrar que o Produto Interno Bruto encolheu a uma taxa anual de 1,0 por cento.

Foi o pior desempenho desde o primeiro trimestre de 2011 e refletiu um ritmo muito mais lento de acúmulo de estoques e um déficit comercial maior do que estimado anteriormente.

O governo havia estimado anteriormente expansão do PIB a uma taxa de 0,1 por cento. Não é incomum que o governo faça revisões drásticas nos números do PIB já que não tem em mãos dados completos quando faz as estimativas iniciais. O recuo na produção, que também refletiu queda no gasto empresarial em estruturas não residenciais, foi mais forte do que as expectativas de Wall Street. Economistas esperavam que a revisão mostrasse uma contração de 0,5 por cento do PIB. A economia havia se expandido a uma taxa de 2,6 por cento no quarto trimestre. Os mercados financeiros dos EUA provavelmente vão descartar o relatório, dados os fatores temporários que pesaram sobre o crescimento e o fato de que a atividade econômica está se recuperando. Dados que vão desde o desemprego até a atividade manufatureira sugerem que o crescimento terá uma aceleração forte no segundo trimestre. Economistas estimam que o clima severo pode ter cortado até 1,5 ponto percentual do PIB. O governo, no entanto, não deu detalhes sobre o impacto do clima. As empresas acumularam 49,0 bilhões de dólares em estoques, bem menos do que os 87,4 bilhões de dólares estimados no mês passado.

Foi o menor volume em um ano e os estoques subtraíram 1,62 ponto percentual do PIB do primeiro trimestre. Mas os estoques devem ajudar o crescimento do segundo trimestre.Embora a queda nas exportações não tenha sido tão severa como se pensava inicialmente, o crescimento das importações foi mais forte. Isso resultou em um déficit comercial que tirou 0,95 ponto percentual do PIB. Os gastos de consumidores, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos Estados Unidos, cresceu a uma taxa de 3,1 por cento. O número relatado anteriormente havia sido de um avanço de 3,0 por cento. Os gastos empresariais em estruturas não residenciais, como perfuração de gás, contraiu a uma taxa de 7,5 por cento. O número relatado anteriormente havia sido de um avanço de 0,2 por cento. O relatório mostrou que os lucros corporativos pós-impostos caíram a uma taxa de 13,7 por cento, a maior queda desde o quarto trimestre de 2008.

(Por Lucia Mutikani)