Bancos e Petrobras derrubam Bovespa em sessão de baixo volume

quinta-feira, 29 de maio de 2014 17:54 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou no vermelho nesta quinta-feira, em novo pregão de poucos negócios, pressionada pelas ações da Petrobras e pelo setor financeiro, que repercutiu dados de crédito do Banco Central.

O Ibovespa caiu 0,76 por cento, a 52.239 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 4,5 bilhões de reais, contra média diária de 6,6 bilhões em 2014.

Todas as ações de bancos que integram o índice recuaram e o setor, que possui o maior peso no Ibovespa, foi a principal pressão negativa do dia. Além da incerteza sobre os desdobramentos futuros do caso de perdas geradas em cadernetas de poupanças por planos econômicos no Supremo Tribunal Federal (STF), o mercado voltou os olhos para a nota de crédito do BC.

O crescimento do crédito em abril baseado principalmente nos empréstimos de bancos públicos foi um ponto negativo, disse o economista Hersz Ferman, da Elite Corretora, já que parte do mercado esperava que o papel de tais instituições diminuísse, abrindo espaço para bancos privados.

Em relatório, o Goldman Sachs afirmou que "o crescente papel dos bancos públicos na originação e alocação de crédito têm implicações macroeconômicas e é uma fonte de desconforto no médio prazo".

Com queda de cerca de 2 por cento, as ações da Petrobras foram outro peso sobre o Ibovespa.

A ação da JBS caiu mais de 4 por cento, maior queda do índice, com investidores temendo uma guerra de ofertas, após a Tyson Foods fazer uma proposta pela Hillshire Brands maior que a da Pilgrim's Pride, unidade da empresa brasileira nos Estados Unidos.

A JBS já havia caído mais de 4 por cento na terça, quando a Pilgrim's anunciou a oferta pela Hillshire, em meio a preocupações com o endividamento do grupo.   Continuação...