China reduz contratos de longo prazo de minério por ampla oferta no mercado

sexta-feira, 30 de maio de 2014 12:53 BRT
 

CINGAPURA/XANGAI (Reuters) - As siderúrgicas chinesas estão trocando contratos de longo prazo de minério de ferro por cargas para entrega imediata mais baratas, confiantes de que os preços deprimidos provavelmente não vão se recuperar em meio ao primeiro excedente global no setor em 10 anos.

Conversas no mercado sinalizam que algumas siderúrgicas chinesas cancelaram cargas de minério de ferro, com vários comerciantes dizendo que até quatro milhões de toneladas teriam sido rejeitadas, embora a Reuters não tenha conseguido confirmar essa informação.

Um executivo sênior de importante siderúrgica na China disse que a empresa cortou o volume de compras de minério de ferro em contratos de longo prazo em cerca de 10 por cento neste ano, ressaltando que alguns de seus contratos com mineradoras davam esta opção de reduzir volumes.

Um segundo representante da indústria que compra minério para uma siderúrgica de médio porte no norte da China disse que a companhia agora depende completamente do mercado para entrega imediata.

"Costumávamos ter contrato anual de fornecimento, mas paramos de fazer isso desde este ano, já que o cenário do mercado permanece fraco", disse a fonte.

Um operador disse à Reuters que seis siderúrgicas de médio porte no norte da China desistiram de suas cargas de minério contratadas nestes mês totalizando cerca de 4 milhões de toneladas --o equivalente a mais de 20 navios capesize.

"Elas estão recusando estas cargas porque há muita oferta no mercado e não estão com medo de fazer isso porque sabem que as mineradoras precisarão delas em futuros embarques", disse o operador.

A demanda por minério de ferro na China ainda está perto dos níveis recordes --a importação em abril atingiu 83 milhões de toneladas, a segunda maior já registrada-- mas mineradoras como Vale, Rio Tinto e BHP Billiton estão impulsionando a produção ainda mais rápido.

"Pela primeira vez em 10 anos, a oferta é maior que a demanda", disse José Carlos Martins, diretor da divisão de ferrosos da Vale no final do mês passado. "Ao mesmo tempo, a procura tem aumentado mais lentamente que o esperado."   Continuação...