Empréstimo a distribuidoras de energia não cobre R$450 mi de gastos em abril

terça-feira, 3 de junho de 2014 14:44 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A última tranche de cerca de 2,27 bilhões reais do empréstimo às distribuidoras de energia não será bastante para quitar todos os gastos com exposição involuntária referentes a abril que serão pagos até 10 de junho, disse nesta terça-feira o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino.

Segundo ele, faltarão cerca de 450 milhões de reais para cobrir toda a necessidade das distribuidoras, custos que deverão ser arcados por elas, disse ele, embora o governo federal estude opções para ajudar o setor nos meses seguintes.

Para Rufino, a ampliação do empréstimo, originalmente de 11,2 bilhões de reais, é uma alternativa, mas a decisão depende dos bancos, conforme antecipou reportagem da Reuters na véspera.

"Essa é uma alternativa que está sendo estudada. O mesmo empréstimo, ampliando o valor (...) Essa conversa com os bancos a gente vai tratar agora", disse ele a jornalistas.

Rufino destacou que nos próximos meses os gastos das distribuidoras com exposição ao mercado de curto prazo vão se reduzir por conta da quedas no preço da energia nesse mercado e também pelo fato de a exposição ter caído significativamente com o leilão de energia existente (A-0) no fim de abril.

Mesmo assim, ele acredita que muitas empresas, especialmente as que terão reajuste apenas no fim do ano, não têm condições de carregar essas despesas, por isso seria necessário um novo ajuste no pacote de auxílio já anunciado.

"Tem que ter uma solução, sim; é uma responsabilidade nossa buscar mitigar isso", disse.

O empréstimo para ajudar as distribuidoras foi contratado por meio da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) junto a um sindicato de 10 bancos públicos e privados.

Desse total, cerca de 8,9 bilhões haviam sido desembolsados para cobrir as liquidações do mercado de curto prazo de abril e maio. Restavam cerca de 2,27 bilhões, já liberados para ajudar no pagamento de junho.

(Por Leonardo Goy)