Taxa de desemprego no Brasil sobe a 7,1% no 1º tri, mostra Pnad Contínua

terça-feira, 3 de junho de 2014 17:04 BRT
 

Por Felipe Pontes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A taxa média de desemprego do Brasil subiu a 7,1 por cento no primeiro trimestre deste ano, após atingir 6,2 por cento nos últimos três meses de 2013, indicando que o mercado de trabalho no país perdeu força com a atividade econômica mais fraca no período.

O resultado, porém, é melhor do que o do primeiro trimestre de 2013, quando a taxa foi de 8,0 por cento, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"A alta em relação ao quarto trimestre é um movimento esperado, ela acontece sempre. No mês de dezembro você tem menos dias de procura de trabalho e isso se reflete na PNAD contínua também", ressaltou o coordenador de departamento de Trabalho e Renda do IBGE, Cimar Azevedo.

Ele ressaltou ainda que, sobre o primeiro trimestre de 2013, o mercado de trabalho mostrou avanço, com a criação de 1,7 milhão de vagas formais. De acordo com a PNAD Contínua, 77,7 por cento dos empregados do setor privado possuíam carteira de trabalho assinada.

Além disso, afirmou Azevedo, a taxa de desemprego também vem refletindo o maior número de pessoas que tem desistido de procurar emprego e deixado a força de trabalho.

"Parte dessa redução da desocupação é em função do aumento da inatividade, que é mais focada na população de menor de idade e na população de 60 anos ou mais", destacou Azevedo, acrescentando que o mesmo quadro é visto também na Pesquisa Mensal de Emprego (PME).

Entre janeiro e março passados, a economia brasileira desacelerou o passo e cresceu apenas 0,2 por cento sobre os três meses anteriores, sobretudo por conta do mau desempenho da indústria e dos investimentos.

  Continuação...