FMI corta estimativa de crescimento para China, mas pede foco em reformas

quinta-feira, 5 de junho de 2014 09:54 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou a estimativa de crescimento para a China em 2015 para cerca de 7 por cento, mas pediu que as autoridades evitem mais medidas de estímulo e em vez disso se concentrem em reduzir os riscos financeiros.

Em declarações que projetaram confiança sobre a saúde no curto prazo da segunda maior economia do mundo, o FMI afirmou que Pequim tem que manter a palavra sobre a implementação de reformas que irão corrigir desequilíbrios, incluindo um iuan "moderadamente subvalorizado".

Especificamente, o FMI disse que as condições estão corretas para que a China adote o próximo passo em liberalizar o mercado de taxas de juros, desafiando a visão entre algumas autoridades chinesas de que o país ainda não está pronto para tal medida.

"Não estamos aconselhando estímulo nesse momento", disse a repórteres o primeiro vice-diretor-gerente do FMI, David Lipton, quando questionado se ele acha que o governo da China deveria fazer mais para sustentar o crescimento econômico. "Não achamos que haja sinais suficientes que justifiquem isso."

Em vez disso, ele afirmou que a maior ameaça à China é sua persistente dependência de dívida e investimentos em áreas como a imobiliária para sustentar sua economia, fraquezas que estão crescendo e que irão afetá-la no longo prazo se não forem corrigadas.

Portanto, a menos que a economia da China corra o risco de não atingir a meta de crescimento do governo de cerca de 7,5 por cento neste ano por uma margem substancial, Lipton disse que mais estímulo não é justificado.

"As vulnerabilidades aumentaram a um ponto em que contê-las deveria ser uma prioridade", disse ele, destacando que o FMI acredita que a China pode atingir sua meta de crescimento para 2014.

Para o próximo ano, o FMI reduziu sua projeção de crescimento econômico para 7 por cento, de 7,3 por cento em abril --nível que Lipton disse ser realista para a China realizar reformas financeiras amplas, como prometido.

(Reportagem de Koh Gui Qing)