Produção de veículos do Brasil tem 3a queda anual consecutiva em maio

quinta-feira, 5 de junho de 2014 16:37 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria de veículos do Brasil teve em maio a terceira queda consecutiva de produção na comparação anual, pressionada por um mercado interno que já não compra como antes e por exportações em declínio. O setor produziu 282,5 mil carros, comerciais leves, caminhões e ônibus em maio, queda de 18 por cento sobre maio de 2013, mas alta de 1,9 por cento na comparação com abril mês que teve um dia útil a menos, segundo dados informados nesta quinta-feira pela Anfavea, associação que representa as montadoras.O segmento com maior queda no volume produzido foi o de caminhões, que amargou recuo de 22,4 por cento sobre maio do ano passado, para 12.695 unidades. O desempenho ressalta medidas de ajustes de produção que estão sendo tomadas pelas montadoras desde fevereiro e que incluem fechamento de turnos de trabalho, suspensão de contratos de trabalho e programas de demissão voluntária. No acumulado de janeiro a maio, a indústria brasileira de veículos teve baixa de 13,3 por cento no volume de veículos produzidos, a 1,35 milhão de unidades. A Anfavea começou 2014 projetando crescimento de 1,4 por cento na produção do ano, para 3,765 milhões de veículos. Segundo a Anfavea, em maio, o nível de emprego do setor caiu 2,8 por cento sobre um ano antes, para 152.293 postos de trabalho. VENDAS Os licenciamentos de veículos novos no ano até maio acumulam baixa de 5,5 por cento, para 1,4 milhão de unidades. Apenas no mês passado, as vendas somaram 293,4 mil veículos, queda de 7,2 por cento na comparação com o mesmo período de 2013 e estável ante abril. O dado já havia sido informado na terça-feira pela associação de concessionários Fenabrave, que comentou na ocasião que trabalha com possibilidade de queda de mais de 3 por cento nas vendas deste ano sobre 2013. As exportações apenas de veículos somaram 826,7 milhões de dólares em maio, queda de 28,7 por cento sobre maio do ano passado. No ano, as vendas externas acumulam tombo de 23,3 por cento, a 3,828 bilhões de dólares. Grande parte dessa queda é atribuída pelo setor pela crise cambial da Argentina, destino de cerca de um terço das exportações do setor brasileiro e que tomou medidas para conter a saída de divisas que prejudicaram o fluxo comercial de veículos.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

 
Caminhão de carga carrega carros novos em São Bernardo do Campo, São Paulo. A indústria de veículos do Brasil teve em maio a terceira queda consecutiva de produção na comparação anual, informou a Anfavea, associação que representa as montadoras, nesta quinta-feira. 29/04/2014 REUTERS/Paulo Whitaker