Leilão de energia para entrega em 2017 ocorre nesta sexta-feira em SP

sexta-feira, 6 de junho de 2014 10:03 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O leilão de energia A-3 que venderá energia para ser entregue a partir de 2017 será realizado nesta sexta-feira em São Paulo, com a expectativa de que seja dominado pela energia eólica que habilitou a maioria dos projeto inscritos no leilão.

O leilão tem 7 mil megawatts (MW) de projetos habilitados para participar, sendo 6.159 MW de usinas  eólicas, 235 MW de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), 198 MW de térmicas a biomassa e 418 MW da ampliação da hidrelétrica de Santo Antônio.

Representantes do segmento de PCHs e de térmicas a biomassa estão pessimistas sobre a possibilidade de viabilizar um grande número de projetos no leilão, diante das condições de competitividade e preço estabelecidas.

A Justiça Federal chegou a suspender o leilão da energia da hidrelétrica Santo Antônio (RO) no fim de quinta-feira, a pedido do Ministério Público Federal em Rondônia e do Ministério Público do Estado, sob alegação de que a usina ainda não poderia vender um produto que ainda não tem autorização para gerar. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) informou na manhã desta sexta-feira que a liminar já havia sido derrubada.

Segundo o MPF, a usina poderia gerar caso conseguisse a elevação da cota de seu reservatório. Mas atualmente há duas liminares que impedem o Ibama de autorizar o aumento da área alagada pela hidrelétrica, segundo o MPF.

No leilão, haverá dois produtos para a venda de energia: o das eólicas e térmicas (por disponibilidade), com preço-teto de 133 reais por megawatt-hora (MWh) e prazo de 20 anos, e o de hidrelétricas e PCHs (por quantidade) com prazo de contratação de 30 anos. O preço-teto estabelecido para as PCHs é de 148 reais por MWh e para a energia de Santo Antônio é de 121 reais por MWh.

Vencem o leilão os proponentes que oferecerem energia a preços mais baixos. A quantidade de energia elétrica a ser contratada é definida com base na necessidade de contratação apresentada pelas distribuidoras de energia elétrica, número que não é divulgado pelo governo federal. A diretora da consultoria Thymos Energia, Thais Prandini, acredita que serão contratados entre 1.000 e 1.500 MW médios de energia.

O leilão está marcado para começar às 10 horas, em São Paulo, e será realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) é responsável pela operacionalização do leilão. 

(Por Anna Flávia Rochas)