Safra de café do Brasil cairá para até 40,1 mi sacas, reafirma CNC

sexta-feira, 6 de junho de 2014 14:17 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - As chuvas recentes que atingiram regiões produtoras de café no Brasil não têm potencial para recuperar a colheita deste ano, que deverá ficar dentro do intervalo previsto anteriormente de 40,1 milhões a 43,3 milhões de sacas, afirmou nesta sexta-feira o Conselho Nacional do Café (CNC) em meio a especulações do mercado de uma quebra menor que a esperada na safra nacional, o que tem pressionado os preços recentemente.

Para o CNC, que representa os produtores, as chuvas não poderiam propiciar a recuperação da produção deste ano, "haja vista que os grãos já passaram por sua fase de granação, ou seja, já desenvolveram o que tinham que desenvolver".

"O máximo que essas precipitações poderiam ocasionar seria uma recuperação das plantas para a safra 2015, no entanto, o volume de água foi muito baixo e, portanto, insatisfatório para suprir o solo e os pés de café para passarem pelo período seco", disse o CNC em nota.

Os contratos futuros do café arábica mudaram de direção nesta sexta-feira e subiam mais de 2 por cento após a divulgação da nota do CNC, sendo cotado a 1,7345 dólar por libra-peso, por volta das 14h (horário de Brasília). Coberturas de posições vendidas e ordens de compra ocorreram no mercado após a estimativa sobre a safra brasileira.

No últimos tempos, o mercado tem apresentado fraqueza na bolsa de Nova York, tendo recuado pouco mais de 20 por cento ante o pico do ano registrado em meados de abril, de 2,19 dólar por libra-peso, diante de avaliações do mercado de que a safra no maior produtor global não será tão ruim quanto o esperado.

O recuo ocorreu após uma disparada nos preços no ano até meados de abril, quando o mercado reagia a perdas na produção brasileira por conta do tempo seco sem precedentes nos meses tradicionalmente chuvosos de janeiro e fevereiro.

Comparando a estimativa do CNC com a do Ministério da Agricultura para 2013, a safra brasileira de 2014 poderia recuar 18,4 por cento, na pior das hipóteses.

O governo brasileiro, entretanto, estima a quebra menor na safra nacional ante 2013, de 9,3 por cento, para 44,57 milhões de sacas.

"É válido frisar, ainda, que a retomada das chuvas, no presente momento, pode trazer novo problema relacionado à qualidade, pois derrubaria os grãos dos pés e interferiria na secagem da produção", acrescentou o CNC.   Continuação...