Putin acusa Ucrânia de sabotar negociações sobre preço do gás natural

quarta-feira, 11 de junho de 2014 12:39 BRT
 

Por Barbara Lewis e Alexei Anishchuk

BRUXELAS/NOVO-OGARYOVO Rússia (Reuters) - O presidente russo, Vladimir Putin, acusou a Ucrânia na quarta-feira de colocar as negociações sobre o gás natural em um "beco sem saída", rejeitando uma oferta de corte de preços feita em meio a uma disputa que ameaça o abastecimento para o resto da Europa.

Enquanto Kiev exigiu mudanças no contrato para diminuir os preços mais elevados na Europa para fornecimento de gás russo, Moscou também manteve suas propostas, sugerindo o corte de preço de cerca de um quinto para 385 dólares por 1.000 metros cúbicos, como sua oferta final.

A disputa faz parte de uma ampla batalha entre a Ucrânia e a Rússia, enquanto a nova liderança de inclinação ocidental em Kiev luta para conter uma rebelião separatista pró-Rússia nas províncias orientais.

Conflitos sobre os preços do gás praticados pela Rússia duram anos e já levaram a cortes no abastecimento em 2006 e 2009.

Putin, em reunião com seu governo nos arredores de Moscou, disse que a Rússia tinha oferecido um desconto de 100 dólares por 1.000 metros cúbicos com a remoção de um imposto de exportação. Isso colocaria o preço em linha com o pago por outros consumidores europeus.

A mais recente crise entre os dois países explodiu com a derrubada do presidente ucraniano Viktor Yanukovich, com laços com Moscou, em fevereiro. Depois disso, a Rússia anexou a região da Crimeia de seu vizinho e quase dobrou o preço que Kiev tem de pagar pelo gás.

Mais cedo nesta quarta-feira, o primeiro-ministro ucraniano Arseny Yatseniuk deixou claro em uma reunião de gabinete que Kiev rejeitou a oferta da Rússia com os preços mais baixos do gás, removendo o imposto de exportação, medida que não seria escrita no contrato e que ficaria a critério de Moscou.

 
Presidente russo, Vladimir Putin, preside uma reunião na residência oficial Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou. 11/06/2014.  REUTERS/Alexei Druzhinin/RIA Novosti/Kremlin