CMSE vê queda no risco de déficit de energia em 2014 no Brasil

quarta-feira, 11 de junho de 2014 13:36 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) disse nesta quarta-feira que o risco de déficit de energia em 2014 no sudeste/centro-oeste caiu para 2,5 por cento, ante 3,7 por cento estimados no início de maio. [ID:nL2N0NT2FV]

O sistema elétrico brasileiro é preparado para conviver com um risco de qualquer déficit de até 5 por cento.

Para o Nordeste, o risco de déficit de energia em 2014 é zero, segundo nota do CMSE emitida após reunião realizada nesta quarta-feira.

O Comitê calculou ainda que entre 2015 e 2018 o risco de qualquer déficit de energia no sudeste e no centro-oeste do país é de 4 por cento, enquanto no Nordeste esse risco é de 0,4 por cento.

"Embora as principais bacias hidrográficas onde se situam os reservatórios das regiões sudeste/centro-oeste e nordeste tenham enfrentado uma situação climática desfavorável no período úmido recém-encerrado, o Sistema Interligado Nacional dispõe das condições para o abastecimento do país”, diz a nota do CMSE.

Segundo o documento, o país tem uma sobra estrutural de cerca de 5,5 mil megawatts médios.

Ao deixar a reunião, o presidente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Luiz Eduardo Barata, disse que não há "no momento" medidas complementares ao empréstimo de 11,2 bilhões de reais – já esgotados – usado para cobrir os gastos das distribuidoras com a exposição ao mercado de curto prazo.

Segundo ele, na contabilização do mercado de junho – relativa ao mês de abril – duas empresas deixaram de fazer o pagamento, a Ceron (de 35 milhões de reais) e a Ceal (de 17 milhões de reais).

"Mas a informação que eu tenho é de que elas vão efetuar o pagamento nesta semana, o que significa que na próxima liquidação estas duas distribuidoras já estarão quites", disse Barata.

(Por Leonardo Goy)