Cielo vê desaceleração em vendas do varejo no Brasil em maio

quarta-feira, 11 de junho de 2014 14:41 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - As vendas do varejo brasileiro em maio desaceleraram em relação a abril considerando ajustes de calendário, impactadas por inflação, juros em alta e consumidores menos confiantes sobre a economia, segundo índice do setor divulgado nesta quarta-feira pela empresa de cartões Cielo.

O Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) apontou crescimento real de vendas de 5,5 por cento em maio ante igual período de 2013, contra avanço de 4,8 por cento em abril.

O aumento foi justificado pela Cielo pela ocorrência de um sábado a mais no mês, dia em que as vendas são mais altas. Desconsiderado o efeito calendário, o ICVA deflacionado cresceu 5,1 por cento em maio, abaixo dos 6,4 por cento de abril.

O índice é calculado a partir da base de 1,4 milhão de pontos de venda ativos credenciados à Cielo em todo o Brasil.

Para a economista Mariana Oliveira, da Tendências Consultoria, o avanço mais modesto do último mês é reflexo de um ambiente macroeconômico marcado por inflação e juros altos, com recuo na confiança dos consumidores.

As perspectivas para junho também não são animadoras. Segundo o gerente da área de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto, a contribuição da Copa para o setor poderá ser nula ou até ligeiramente negativa. Isso ocorre diante da desaceleração observada em segmentos do varejo que devem sofrer com a interrupção de atividades durante o torneio.

"Sempre que há feriado - e na Copa a gente sabe que haverá feriados - há quedas nas vendas", afirmou.

Segundo a Tendências, os gastos dos turistas deverão somar cerca de 8,6 bilhões de reais na esteira da competição, que durará até meados de julho, beneficiando empresas que atuam em áreas como restaurantes, bebidas e supermercados.

Por outro lado, ponderou Oliveira, haverá impacto negativo em outros setores, como o de móveis.

(Por Marcela Ayres)