Opep vê mercado de petróleo equilibrado no restante de 2014

quinta-feira, 12 de junho de 2014 08:43 BRT
 

LONDRES (Reuters) - Os mercados de petróleo devem ficar equilibrados durante o segundo semestre deste ano, com produção extra suficiente para atender a uma demanda crescente, disse a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) nesta quinta-feira, sugerindo que os preços de petróleo devem ficar estáveis apesar de preocupações sobre oferta perdida.

Os preços de petróleo tiveram uma forte alta nesta quinta-feira, com o Brent chegando a subir acima de 112 dólares pela primeira vez desde março, devido a preocupações de que a violência no Iraque pode impactar a oferta.

Mas a Opep, que fornece um terço do petróleo do mundo, disse que a produção crescente de petróleo deve ser mais que suficiente para atender à demanda.

"No geral, o contínuo crescimento da demanda será adequado para satisfazer a alta na demanda por petróleo no segundo semestre de 2014, resultando em um mercado bem equilibrado", disse a Opep em seu relatório mensal sobre o mercado.

A Opep acertou, na quarta-feira, a manutenção de sua meta de produção de petróleo em 30 milhões de barris por dia (bpd) para o segundo semestre deste ano.

O grupo está satisfeito com os preços de petróleo acima de 100 dólares e seus membros estão extraindo petróleo o bastante para cobrir seus gastos.

O relatório da Opep disse que a produção dos Estados Unidos e do Canadá e outros países que não fazem parte da Opep acrescentarão 1,44 milhão de bpd de petróleo extra aos mercados mundiais neste ano, 60 mil bpd a mais do que a previsão anterior da OPEP.

Isso vai superar a projeção de um crescimento de 1,14 milhão bpd na demanda global de petróleo e significa menos demanda no geral neste ano por petróleo da Opep.

A Opep cortou sua projeção de demanda por seu próprio petróleo em 2014 para 29,69 milhões bpd, uma queda de 70 mil bpd ante sua estimativa anterior.

O relatório, citando fontes secundárias, disse que a produção de petróleo da Opep subiu em 142 mil bpd para 29,76 milhões bpd em maio, puxado por uma produção maior em Angola, no Iraque e na Arábia Saudita.

(Por Christopher Johnson)