FMI reduz previsão de crescimento dos EUA a 2%; pleno emprego está longe

segunda-feira, 16 de junho de 2014 14:19 BRT
 

Por Anna Yukhananov

WASHINGTON (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu nesta segunda-feira sua projeção de crescimento para os Estados Unidos e disse que a economia não alcançará o pleno emprego até o fim de 2017, permitindo que as taxas de juros permaneçam perto de zero por mais tempo do que os mercados financeiros esperam.

Em sua avaliação anual da economia norte-americana, o FMI cortou sua projeção de crescimento econômico em 2014 para 2 por cento, ante 2,8 por cento previstos em abril, devido ao primeiro trimestre fraco. Para 2015, o FMI manteve sua projeção em 3 por cento, já que a criação de empregos acelera após o inverno rigoroso.

"Dados recentes... sugerem que uma retomada significativa na atividade está em andamento e que o crescimento neste ano e em 2015 devem exceder bastante o potencial", disse o FMI.

No entanto, o crescimento potencial do país deve ser de apenas cerca de 2 por cento no futuro, abaixo das médias históricas, conforme a população envelhece e o crescimento da produtividade desacelera, acrescentou o FMI.

Para dar mais fôlego à economia e lutar contra a pobreza persistentemente alta, o FMI pediu que os EUA elevem o salário mínimo. O salário mínimo federal está agora a 38 por cento do salário médio, abaixo da maioria dos padrões internacionais, disse o Fundo.

A instituição disse que suas previsões mostram que a economia norte-americana retornará ao pleno emprego apenas ao fim de 2017, com a inflação permanecendo baixa. "Se for verdade, as taxas (do Federal Reserve, banco central) pode permanecer em zero por mais tempo do que a data de meados de 2015 atualmente prevista pelos mercados", disse o FMI.

Ao mesmo tempo, o FMI advertiu que o mercado financeiro pode ficar muito complacente com uma possível volatilidade conforme as taxas de juros aumentam. A diretora-gerente do Fundo, Christine Lagarde, disse haver um "aura de incerteza" sobre o cenário.

O FMI disse que o Fed deveria considerar alterar sua comunicação para melhorar as orientações ao mercado, incluindo a realização de entrevistas após todas as reuniões de política monetária. Além disso, sugeriu a publicação de um relatório trimestral sobre a política monetária. Atualmente, o Fed dá entrevista trimestralmente e publica um relatório duas vezes por ano.

"O Fed poderia dar maior clareza sobre quanto a estabilidade financeira representa nos cálculos de política monetária", disse o FMI. O Fed se reúne nesta terça e quarta para discutir a política monetária.

(Por Anna Yukhananov)