Zona do euro tem política fiscal correta para reduzir dívida e estimular PIB, diz FMI

quinta-feira, 19 de junho de 2014 14:40 BRT
 

LUXEMBURGO (Reuters) - A política fiscal da zona do euro está próxima da neutralidade, após anos de austeridade, e atingiu o equilíbrio entre redução da dívida e apoio à demanda para dar fôlego ao crescimento econômico, afirmou o Fundo Monetário Internacional (FMI) em comunicado nesta quinta-feira.

O déficit orçamentário da União Europeia caiu para 3 por cento do PIB em 2013, ante 6,2 por cento em 2010, quando teve de injetar pela primeira vez o resgate financeiro na Grécia.

A crise de dívida soberana levou a zona do euro para uma profunda recessão. A economia está agora se recuperando lentamente e as autoridades da zona do euro estão discutindo como atingir o equilíbrio certo entre reduzir a dívida pública e estimular crescimento econômico.

"Após muitos anos de consolidação, a política fiscal da zona do euro está próxima da neutralidade e isso garante o equilíbrio correto entre apoio à demanda e redução da dívida. Mas crescimentos negativos surpreendentes não devem desencadear novos esforços de consolidação", disse o FMI.

O FMI indicou que a recuperação não tem sido robusta nem suficientemente forte e que o contínuo apoio à demanda na economia é essencial.

O FMI elogiou os passos dados pelo Banco Central Europeu em junho para combater a baixa inflação, mas indicou que talvez mais ações sejam necessárias caso as medidas adotadas não surtam efeito.

"O desejo do BCE de se fazer mais, caso necessário, é tranquilizador. Se a inflação se mantiver insistentemente baixa, o BCE deveria considerar um programa de compra de ativos em larga escala, sobretudo de ativos soberanos", disse.

"Isso iria aumentar a confiança e incrementar os balanços patrimoniais das empresas e das famílias, além de estimular os empréstimos bancários. No geral, tem o potencial de ter um impacto significativo na demanda e na inflação."