CSN disputa aquisição de usinas da Severstal nos EUA

quinta-feira, 26 de junho de 2014 12:34 BRT
 

SÃO PAULO, 26 Jun (Reuters) - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) está participando de concorrência privada para comprar duas usinas nos Estados Unidos do grupo russo Severstal, em um negócio que pode dobrar a capacidade de produção de aço do grupo brasileiro, se concretizado.

A CSN, que não tem operações de produção de aço nos EUA, anunciou nesta quinta-feira que "está participando de um processo de concorrência privada para eventual aquisição de ativos siderúrgicos da OAO Severstal nos Estados Unidos".

Os ativos são formados pelas usinas produtoras de aço em Dearborn, no Estado de Michigan, e em Columbus, no Mississippi.

A usina em Michigan, segundo a Severstal, emprega cerca de 1.400 funcionários e é capaz de produzir anualmente 3,6 milhões de toneladas de laminados a quente, 2,1 milhões de laminados a frio e 1,1 milhão de toneladas de produtos galvanizados. A unidade, que já passou por sucessivas modernizações, remonta a 1920 e já fez parte da Ford, produzindo componentes para o modelo T, da montadora norte-americana.

Já a usina no Mississippi tem capacidade anual de 3,4 milhões de toneladas de laminados a quente, 1,5 milhão de toneladas de laminados a frio e 1,1 milhão de toneladas de produtos galvanizados.

A capacidade atual de produção de aço da CSN é de cerca de 7,5 milhões de toneladas, incluindo unidades de aços longos compradas pela empresa na Alemanha em 2012.

Atualmente, a CSN mantém nos EUA uma unidade de processamento de aços planos, no Estado de Indiana.

Às 11h22, as ações da CSN exibiam alta de 0,31 por cento, a 9,59 reais, enquanto o Ibovespa mostrava valorização de 0,36 por cento. A empresa também anunciou mais cedo uma renovação de seu programa de recompra de ações.

A Severstal anunciou em meados de maio que estava considerando opções estratégicas sobre seus ativos na América do Norte. Uma fonte com conhecimento da situação disse na época à Reuters que a companhia, segunda maior produtora de aço da Rússia, recebeu ofertas de potenciais compradores para suas operações nos EUA.   Continuação...