França, Espanha e Itália ampliam recuperação de vendas de carro em junho

terça-feira, 1 de julho de 2014 18:18 BRT
 

PARIS (Reuters) - As vendas de carros francesas, espanholas e italianas subiram em junho, segundo dados da indústria divulgados nesta terça-feira, ajudadas por incentivos e demanda por novos modelos enquanto o setor de veículos da Europa se recupera de forma constante de uma queda de seis anos.

Os licenciamentos franceses cresceram 3,2 por cento no mês, trazendo os ganhos do primeiro semestre para 2,9 por cento, disse a associação dos fabricantes de automóveis CCFA baseada em Paris, elevando sua previsão de crescimento para o ano inteiro a 2 por cento ante expectativa inicial de nenhuma mudança.

"Tendo em conta as realidades econômicas atuais, nós, no entanto, mantemos uma certa prudência sobre o mercado de veículos de passageiros em 2014", disse o chefe da associação Patrick Blain a repórteres.

A Europa está se recuperando de uma crise em que a demanda caiu para o menor nível em duas décadas, levando a perdas generalizadas para os fabricantes de veículos e cortes de empregos enquanto a indústria se esforçava para cobrir os enormes custos fixos de sua base de fabricação na região.

Entre os fabricantes, números mostraram que a francesa Renault teve um ganho de 25 por cento nas vendas domésticas.

As vendas da rival PSA Peugeot Citroen caíram 2,3 por cento. Ford, General Motors, Toyota e Volkswagen também perderam terreno.

Mas a demanda por carros de luxo franceses aumentou, com a BMW e a Daimler com ganhos de 25 e 17 por cento, respectivamente, após declínios nos meses anteriores.

Vendas de automóveis novos na Itália, o quarto maior mercado de automóveis da Europa, subiram 3,8 por cento ante o ano anterior, informou o Ministério dos Transportes do país, suportadas pelo crescimento de dois dígitos nas vendas das marcas Dacia, Renault e Peugeot.

As vendas da marca Fiat da Fiat Chrysler subiram apenas 4,7 por cento, resultando na queda da participação total da empresa controladora no mercado italiano de 27,5 por cento para 27,1 por cento.   Continuação...