Dólar sobe 0,88% ante real, maior alta em 1 mês, com EUA e de olho no BC

quarta-feira, 2 de julho de 2014 17:09 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou nesta quarta-feira com a maior alta ante o real em um mês, em linha com o avanço da divisa no exterior, diante de novos sinais de que o mercado de trabalho norte-americano está em recuperação, alimentando expectativas de juros maiores nos Estados Unidos.

No Brasil, investidores entenderam que o Banco Central manterá a estratégia de dosar as rolagens de swap cambial, que equivalem a venda futura de dólares, para garantir que a moeda dos EUA oscile dentro da banda informal de 2,20 a 2,25 reais.

O dólar subiu 0,88 por cento, a 2,2243 reais na venda, maior avanço desde 2 de junho, quando a valorização foi de 1,55 por cento. A moeda norte-americana também subiu contra divisas importantes como o euro e o iene.

"Um dado bom sobre o mercado de trabalho norte-americano causa algum estrago, já que a ameaça de juros mais altos nos Estados Unidos continua à espreita", afirmou o gerente de operações do banco Confidence, Felipe Pellegrini, lembrando que o mercado também voltou sua atenção para o relatório de emprego dos Estados Unidos que será divulgado na quinta-feira.

Pela manhã, foi divulgado que as empresas norte-americanas contrataram 281 mil trabalhadores em junho, marcando o maior aumento mensal no segmento privado desde novembro de 2012 e bem acima das expectativas do mercado, segundo o Relatório Nacional de Emprego da ADP.

A alta do dólar ganhou força durante a tarde. Em meio ao ambiente de liquidez mais reduzida e poucas notícias, operadores aproveitaram para afastar ainda mais o dólar do piso informal de 2,20 reais, após a divisa flertar com níveis mais baixos nos últimos pregões.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1 bilhão de dólares, inferior à média diária do último mês, de cerca de 1,3 bilhão de dólares.

"À tarde, o mercado esvaziou e o dólar corrigiu aqueles exageros da semana passada. Ninguém quer fechar operações um dia antes de um dado tão importante", afirmou o diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros, referindo-se ao relatório de emprego norte-americano.   Continuação...