BCE diz que medidas vão elevar inflação mas que injeção de dinheiro ainda é possível

quinta-feira, 3 de julho de 2014 11:29 BRT
 

Por Eva Taylor e Paul Carrel

FRANKFURT (Reuters) - Uma série de medidas de política lançadas no mês passado ajudará a elevar a inflação e a sustentar a concessão de empréstimos pelos bancos, mas o Banco Central Europeu (BCE) permence pronto para criar dinheiro no futuro se for necessário, disse o presidente do banco central, Mario Draghi, nesta quinta-feira.

O BCE manteve sua principal taxa de refinanciamento em 0,15 por cento e sua taxa de depósitos em -0,10 por cento, efetivamente cobrando dos bancos para que deixem seus recursos no banco central de um dia para o outro, conforme tenta elevar os empréstimos para pequenas e médias empresas.

As medidas reveladas no mês passado incluem a ampliação da duração da liquidez barata ilimitada para bancos até o final de 2016, e o oferecimento aos bancos de um plano de empréstimo de quatro anos.

Draghi disse que as medidas do mês passado afrouxaram ainda mais a postura de política monetária da zona do euro.

"As operações monetárias que vão acontecer nos próximos meses vão se somar à esta acomodação e vão sustentar a concessão de empréstimos por bancos", disse ele em coletiva de imprensa depois que o BCE manteve os juros inalterados.

"As medidas vão contribuir para o retorno da taxa de inflação para níveis próximos a 2 por cento".

Draghi disse que o Conselho Diretor do BCE está unido na disposição de lançar um programa de compra de ativos se a inflação cair ainda mais. O programa de compra de ativos tem como essência imprimir dinheiro para comprar dos bancos as dívidas privadas ou de governos para manter os custos de empréstimos baixos e impulsionar a concessão.

"O Conselho Diretor foi unânime em seu compromisso de também usar instrumentos não-convencionais dentro de seu mandato, caso seja necessário atacar ainda mais os riscos de um período prolongado de inflação baixa", disse Draghi.   Continuação...