Premiê da Itália diz que não há racha orçamentário com Alemanha

sexta-feira, 4 de julho de 2014 15:27 BRT
 

ROMA (Reuters) - O primeiro-minsitro da Itália, Matteo Renzi, disse nesta sexta-feira que não há racha entre Roma e Berlim sobre a política fiscal europeia e que o banco central da Alemanha não deveria comentar sobre as políticas públicas italianas.

"Não vi nenhuma polêmica com políticos alemães", disse Renzi em coletiva de imprensa para lançar a presidência italiana de seis meses da União Europeia, quando questionado sobre relatos de racha com a Alemanha sobre o escopo de flexibilidade orçamentária.

"Se você está se referindo aos comentários de algum banqueiro alemão", continuou, "o trabalho do Bundesbank é garantir o respeito de seus estatutos, não participar do debate político da Itália".

Ele acrescentou que a "Europa pertence a seus cidadãos, não a banqueiros, sejam italianos ou alemães".

Na quinta-feira, o presidente do banco central alemão, Jens Weidmann, disse que a Itália deveria completar reformas estruturais antes de pedir maior flexibilidade orçamentária.

Renzi, falando em entrevista coletiva conjunta com o atual presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse ter um relacionamento "excelente" com a chanceler alemã, Angela Merkel, e que apreciou "bastante" declarações de seu porta-voz nesta sexta-feira.

A Itália, que está pressionando por maior flexibilidade nas regras orçamentárias europeias para que possa gastar mais, tem a segunda maior dívida pública na zona do euro como proporção do Produto Interno Bruto (PIB), após a Grécia.

Renzi, que assumiu o governo em fevereiro, tem uma agenda ambiciosa de reformas políticas e econômicas, incluindo mudanças na lei eleitoral, abolir o Senado como uma casa eleita e simplificar a legislação trabalhista.

Contudo, ele fez pouco progresso até agora em converter seus planos em legislação aprovada e nenhuma de suas reformas foi concluída.   Continuação...