Dólar tem leve alta ante real, atento ao BC e ao Fed

segunda-feira, 7 de julho de 2014 17:11 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta ante o real nesta segunda-feira, em dia de baixo volume e cautela de investidores antes da divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve e sob a constante intervenção do Banco Central brasileiro.

A moeda norte-americana subiu 0,38 por cento, a 2,2240 reais na venda, após fechar a sessão anterior com alta de 0,18 por cento.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em apenas 973 milhões de dólares, contra a média diária de 1,3 bilhão de dólares do mês passado.

"Foi um dia de volume bem baixo, sem 'driver' e sem movimentos significativos. Não dá para esperar que o dólar se mexa muito nesse ambiente sem notícias e com o Banco Central sempre de olho", afirmou o gerente de operações do Banco Confidence, Felipe Pellegrini.

A divisa dos Estados Unidos tem basicamente oscilado entre 2,20 e 2,25 reais desde o início de abril. Boa parte do mercado acredita que esses patamares agradariam o BC, pois não são inflacionários e não prejudicam as exportações.

Quando o dólar testou níveis além desse intervalo, o BC deu sinais de que poderia mudar sua atuação para trazê-lo de volta à banda informal. Uma das suas armas principais, acreditam especialistas, é dosar as rolagens de swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares.

"Mesmo quando temos algumas notícias mais expressivas, o mercado se antecipa a alguma ação do BC e volta a pregar o dólar nesses níveis", afirmou o economista da corretora H.Commcor Waldir Kiel.

No fim da manhã, o BC vendeu a oferta total de até 7 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em agosto. Ao todo, o BC já rolou cerca de 11 por cento do lote total, que corresponde a 9,457 bilhões de dólares. [nE6N0P600D]

Mais cedo, a autoridade monetária também vendeu a oferta total de até 4 mil swaps nas atuações diárias. Todos os novos swaps vendidos vencem em 2 de fevereiro de 2015, com volume equivalente a 199 milhões de dólares. Também foram ofertados contratos para 1º de junho do ano que vem, mas nenhum foi vendido.   Continuação...