Elevação de frete marítimo aperta margens de exportadores de grãos no 2º semestre

terça-feira, 8 de julho de 2014 14:56 BRT
 

LONDRES (Reuters) - Uma perspectiva de preços mais elevados das tarifas marítimas para granéis deverá representar um revés para exportadores de grãos em um momento em que eles entram na nova campanha de vendas, com os elevados custos de frete apertando margens de lucro e acrescentando mais um ingrediente na batalha de preços nos principais mercados.

Os exportadores de trigo dos Estados Unidos deverão ser os mais atingidos, em meio aos preparativos dos armadores para elevar preços na expectativa maior demanda por seus navios.

A maior alta deverá ocorrer no importante mercado do Oriente Médio, dando vantagem a pequenos produtores, situados mais próximos dos compradores, uma maior competitividade.

"Quando o assunto é a temporada de exportações dos EUA, acreditamos que será uma temporada forte e acreditamos que a mesma coisa será o caso com a temporada do Mar Negro", disse Jens Ismar, presidente do grupo de frete marítimo Western Bulk WBULK.OL.

"Isso, combinado ao fato de que o mundo ainda está elevando sua demanda por matérias-primas, faz com que a gente compartilhe a visão de quase todos os analistas que prevêem um mercado mais aquecido no segundo semestre."

E enquanto o mercado de frete planeja subir os preços, muitos exportadores de grãos esperam ver seus lucros afetados, especialmente nas vendas de trigo dos EUA, que sofre competição cada vez maior da oferta mais barata da Europa ocidental, Ucrânia, Rússia e países do Mar Negro, como Romênia.

"Um rali nos preços de frete seria prejudicial ao trigo dos EUA, Austrália e Argentina nos mercados do Oriente Médio. O trigo russo provavelmente seria o vencedor", disse uma fonte do mercado europeu.

Outra fonte do mercado disse que o trigo dos EUA, livre a bordo (FOB), está atualmente 6 dólares por tonelada mais barato que o trigo da Rússia e da Ucrânia e 5 dólares mais barato na comparação com origens da Europa ocidental.

"Uma elevação do frete removeria a vantagem competitiva", disse a segunda fonte.   Continuação...