Rioforte, do Grupo Espírito Santo, prepara pedido de proteção contra credores

terça-feira, 15 de julho de 2014 13:34 BRT
 

Por Sergio Goncalves e Axel Bugge

LISBOA (Reuters) - A Rioforte, holding em dificuldades financeiras do clã português Espírito Santo, está se preparando para entrar com pedido de proteção judicial contra credores, disseram fontes nesta terça-feira, em uma tentativa para defender ativos antes do prazo para pagamento de mais de 1 bilhão de dólares.

O pedido de proteção da Rioforte será feito em Luxemburgo, onde a empresa está registrada, afirmou uma fonte próxima do processo, acrescentando que a estratégia tem como objetivo impedir uma insolvência que obrigaria uma venda desorganizada de ativos a qualquer preço.

Às 19h (horário de Brasília), a Rioforte tem que pagar 847 milhões de euros (1,16 bilhão de dólares) de uma dívida junto à Portugal Telecom, que está em processo de fusão com a Oi e cujos acionistas vão exigir mudanças nos termos da união em caso de calote. A Rioforte não quis comentar o assunto.

As fontes não quiseram comentar como o pedido poderia impactar o prazo desta terça-feira estipulado para o pagamento à Portugal Telecom e que as negociações entre as duas empresas ainda estavam ocorrendo.

As preocupações sobre o clã Espírito Santo, que fundou o maior banco listado em bolsa de Portugal, o BES, surgiram desde que uma auditoria na Rioforte encontrou uma "situação financeira séria" na empresa. Na semana passada, as preocupações causaram turbulências nos mercados europeus e atingiram as ações da Oi.

Evidências adicionais sobre as dificuldades financeiras da família surgiram no final da segunda-feira, quando uma companhia do grupo vendeu participação de 5 por cento no BES, fundado há mais de um século, com forte desconto no preço.

A venda empurrou as ações do banco para uma queda de até 20 por cento nesta terça-feira.

"A venda das ações com um desconto brutal mostra que eles estão pulando do barco", disse José Novo, operador da corretora Orey iTrade.   Continuação...