CENÁRIOS-Produtores de grãos do Brasil projetam margem reduzida na safra 2014/15

terça-feira, 15 de julho de 2014 16:55 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - Uma queda acentuada nos preços da soja e do milho no segundo semestre ameaça uma boa rentabilidade dos agricultores brasileiros na safra que será plantada em poucas semanas, num momento em que os custos de produção caíram menos que as commodities agrícolas.

Apesar disso, produtores capitalizados após várias safras com bons lucros ainda não indicam redução das intenções de plantio na temporada 2014/15, disseram especialistas nesta quinta-feira.

"A relação de troca para a próxima safra ainda é uma incerteza", lamentou Wilson Andreassi Filho, diretor da Fénix, uma empresa que gerencia compra de insumos para diversos produtores da região da Jataí (GO).

A relação de troca é uma medida muito utilizada no dia-a-dia do campo: representa quantas sacas de soja ou milho precisarão ser colhidas para pagar os custos de cada hectare. Se o preço do grão cai e os custos não acompanham, será necessário "gastar mais sacas" para plantar a mesma área, reduzindo o lucro do agricultor.

Andreassi conta que seus clientes fecharam a relação de troca, para aquisição de sementes, fertilizantes e defensivos, entre 18 e 22 sacas de soja por hectare, na última temporada. Como os preços da nova safra são incertos, mas claramente mais baixos, a relação este ano "pode ser muito maior", afirmou.

Os preços no mercado físico e futuro da soja e do milho não param de cair, com a iminência de uma grande colheita nos Estados Unidos no último trimestre deste ano.

Para negócios de soja a serem fechados no mês que vem, por exemplo, as cotações recuaram 21 por cento desde o final de maio, segundo a referência do contrato agosto na bolsa de Chicago. Para negócios fechados em novembro, em meio à nova safra dos EUA, os preços caíram mais de 15 por cento nos últimos 15 dias.

Os custos de produção no Brasil, por sua vez, não recuaram na mesma medida.   Continuação...