CPI mista da Petrobras aprova quebra de sigilos de ex-diretor da estatal e familiares

quarta-feira, 16 de julho de 2014 17:28 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) aprovou nesta quarta-feira, por acordo, requerimentos pedindo a quebra de sigilos telefônico, de dados de correio eletrônico e bancários do ex-diretor da estatal Paulo Roberto da Costa, suas filhas, genro e esposa.

A CPI mista, integrada por deputados e senadores, também aprovou a quebra dos sigilos bancários, telefônico e de e-mail do doleiro Alberto Yousseff, que foi preso por uma operação da Polícia Federal que investiga, dentre outros fatores, crime de lavagem de dinheiro.

Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, também foi preso pela PF em decorrência da operação Lava Jato, mas foi liberado.

Foram convocados e tiveram seus sigilos quebrados a esposa de Costa, Marici da Silva Costa, suas filhas, Ariana Azevedo Costa Bachmann e Shanni Azevedo Costa Bachmann, e seu genro Humberto Sampaio de Mesquita.

Os parlamentares também aprovaram requerimentos convocando pessoas que podem estar envolvidas nas investigações da operação Lava Jato e pedidos de informações a órgãos de controle.

Os pedidos de quebras de sigilo foram aprovados pelo quórum mínimo necessário, já que há poucos parlamentares no Congresso devido ao período de disputa eleitoral.

Deputados e senadores também convidaram os policiais e os membros do Ministério Público que participaram das investigações.

A CPI mista deu início aos seus trabalhos no final de maio, depois que já estava em andamento uma comissão formada apenas por senadores para investigar as mesmas denúncias envolvendo a estatal.

Entre as denúncias que devem ser investigadas pelos parlamentares está a suspeita de superfaturamento na compra de uma refinaria em Pasadena, nos Estados Unidos, o suposto pagamento de propina a funcionário da Petrobras por uma empresa holandesa e possível superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.   Continuação...

 
Sede da Petrobras no Rio de Janeiro. 11/4/2014.  REUTERS/Ricardo Moraes