ENTREVISTA-China deverá render US$1 bi a mais nas exportações de carne do Brasil

sexta-feira, 18 de julho de 2014 18:02 BRT
 

Por Fabíola Gomes

SÃO PAULO (Reuters) - A reabertura do mercado chinês à carne bovina do Brasil deverá gerar receita anual adicional de até 1,2 bilhão de dólares em 2015, e não deve afetar o firme ritmo das vendas para Hong Kong, disse nesta sexta-feira o presidente da associação brasileira de exportadores.

"Estes são números para 2015... A expectativa é esta... pelo que representa o mercado chinês", disse o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antonio Camardelli.

O anúncio da suspensão do embargo da China à carne brasileira foi feito na véspera, durante visita do presidente chinês ao Brasil. Os chineses haviam suspendido as compras do produto brasileiro em função da descoberta de um caso atípico de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) no Paraná, no final de 2012.

Durante o período em que a China esteve afastada do mercado brasileiro, Hong Kong ganhou fatia maior no ranking dos principais destinos para a carne brasileira, rivalizando com a Rússia, tradicional comprador.

"Acreditamos que deve seguir fortalecido por outros fatores..., após um trabalho que fizemos anterior à abertura do mercado chinês (para embarcar produtos) de maior valor agregado", disse Camardelli ao ser questionado se abertura da China afetaria as vendas para Hong Kong.

Ele disse não acreditar que o avanço da China, que costuma receber o produto brasileiro indiretamente por Hong Kong, afetará as vendas para essa Região Administrativa Especial do país asiático.

Ele argumentou que, atualmente, Hong Kong compra mais produtos de valor agregado, diferentemente do que ocorria no passado, quando as aquisições estavam mais baseadas em miúdos.

Esta mudança de perfil permitiu uma melhora no diferencial de preços médios no comparativo de carnes com miúdos, acrescentou.   Continuação...