Presidente-executivo da varejista Tesco deixará cargo após alerta de lucro

segunda-feira, 21 de julho de 2014 07:37 BRT
 

LONDRES (Reuters) - O presidente-executivo da Tesco, Philip Clarke, deve deixar o cargo após a maior varejista britânica alertar que não atingirá previsões de lucro, colocando um abrupto fim a um desastroso reinado de três anos.

Clarke, que gastou mais de 1 bilhão de libras (1,7 bilhão de dólares) em um fracassado plano de reviravolta, será substituído em 1o de outubro pelo executivo da Unilever Dave Lewis, que é reconhecido por ter aprimorado diversos negócios do grupo de bens de consumo.

Depois de duas décadas de crescimento ininterrupto nos lucros, a Tesco começou a perder espaço em seu principal mercado, a Grã-Bretanha, nos últimos anos do ex-presidente-executivo Terry Leahy no cargo.

Mais recentemente, a empresa tem sido espremida pelas varejistas de desconto Aldi e Lidl, de um lado, e por mercados mais sofisticados como o Waitrose, de outro. A companhia também tem sido afetada pelo crescimento mais lento no setor de supermercados na Grã-Bretanha em uma década.

Clarke, um veterano da Tesco de 40 anos que começou quando adolescente a empilhar produtos sobre prateleiras em uma loja administrada por seu pai, lutou contra as dificuldades em um amplo plano que incluía o corte de preços, assim como a renovação de lojas e de seu leque de produtos, mas a participação de mercado da varejista continuou a cair.

A Tesco, terceira maior varejista do mundo, disse que as vendas e o lucro no primeiro semestre do ano ficaram abaixo das expectativas.

Clarke, que havia dito a repórteres em junho que não iria "a lugar algum", afirmou nesta segunda-feira que "este é o momento certo para entregar a responsabilidade".

(Por James Davey e Martinne Geller)