Receita da Vodafone é pressionada por Espanha e África do Sul

sexta-feira, 25 de julho de 2014 08:55 BRT
 

LONDRES (Reuters) - A Vodafone divulgou outra grande queda trimestral em sua principal mensuração de receita, com uma fraqueza na África do Sul e na Espanha ofuscando a estabilização no restante da Europa, e disse que uma melhora mais ampla não é esperada até mais perto do final do ano.

A segunda maior operadora de telefonia móvel do mundo afirmou nesta sexta-feira que o ritmo da queda na receita orgânica de serviço, que desconsidera itens como vendas de celulares e movimentos cambiais, acelerou para 4,2 por cento nos três meses encerrados em 30 de junho, o primeiro trimestre fiscal da companhia.

A taxa ficou em linhas com as projeções de analistas e acima da queda de 4,0 por cento, incluindo uma contribuição total da Itália, registrada no último trimestre de seu ano fiscal anterior.

O presidente-executivo Vittorio Colao disse que o grupo está conseguindo um desempenho melhor em alguns mercados europeus, como Alemanha e Grã-Bretanha.

A queda na receita ocorreu devido a mudanças regulatórias na África do Sul, o que acarretou crescimento nulo para sua unidade Vodacom ante uma expansão de 5,1 por cento no trimestre anterior.

Uma deterioração ainda maior na Espanha, onde a competição se acirrou, resultou em uma queda de 15,3 por cento na receita de serviço, ante um recuo de 12,6 por cento no trimestre anterior e abaixo de uma previsão de queda de 13,5 por cento de analistas da Berenberg.

(Por Paul Sandle)