Mercado de curto prazo pressiona Tractebel no 2º tri e lucro cai 77%

sexta-feira, 25 de julho de 2014 20:15 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os efeitos negativos das transações no mercado de curto prazo pressionaram a Tractebel Energia TBLE3.SA, uma das principais geradoras de energia elétrica do país no segundo trimestre.

No período, o lucro líquido somou 73,7 milhões de reais, queda de 77,2 por cento ante os 324 milhões de reais de um ano antes, informou a Tractebel nesta sexta-feira.

No segundo trimestre, a receita no mercado de curto prazo, inclusive no âmbito da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), foi de 5,8 milhões de reais, ante 47,8 milhões de reais um ano antes.

Já o resultado líquido decorrente de transações de curto prazo no período, inclusive as realizadas na CCEE, foi negativo em 468 milhões ante o também resultado negativo de 18,4 milhões de reais, também na comparação anual.

Essa variação ocorreu pela mudança da posição vendedora na CCEE para compradora no período, em decorrência da estratégia de alocação de energia, além do efeito negativo do Fator de Ajuste da Energia Assegurada (GSF), disse a Tractebel.

Além disso, houve o impacto negativo do Preço de Energia de Curto Prazo (PLD), pela diferença dentre os submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul, acrescentou a companhia.

Mas a receita líquida da companhia subiu 7,2 por cento e encerrou o segundo trimestre em 1,36 bilhão de reais.

O preço médio de venda de energia, líquido dos tributos sobre a receita, atingiu 148,19/MWh entre abril e junho, 7 mais alto na comparação ano a ano, devido à atualização de contratos.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) no período foi de 301,5 milhões de reais, recuo de 58,1 por cento na comparação anual.

(Por Juliana Schincariol)