Gol diz que receita por passageiro cresce 27% no 2o tri, ações sobem

segunda-feira, 28 de julho de 2014 11:17 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Gol teve alta de 27 por cento na receita por passageiro no segundo trimestre sobre o mesmo período do ano passado, o que fazia as ações da segunda maior companhia aérea do Brasil subirem nos primeiros negócios na BM&FBovespa.

O crescimento na receita por passageiro (conhecida como "Prask") foi apoiado em uma expansão de 15 por cento no yield, indicador que mede o preço de passagens no período, informou a empresa.

Às 10h32, as ações da Gol subiam 3,96 por cento, a 14,69 reais, maior alta do Ibovespa, que tinha oscilação positiva de 0,19 por cento.

O resultado foi obtido com uma combinação já conhecida de redução de oferta e alta na demanda.

Segundo a companhia, a demanda por voos do grupo cresceu 5,9 por cento no segundo trimestre sobre o mesmo período do ano passado, enquanto a oferta caiu 4,6 por cento na mesma base de comparação. Com isso, a taxa de ocupação de suas aeronaves fechou o trimestre em 75,2 por cento, ganho de 7,4 pontos percentuais sobre o mesmo período de 2013.

Em voos domésticos, a demanda de passageiros por serviços da Gol subiu 3,5 por cento no segundo trimestre e a oferta caiu 6 por cento.

A companhia afirmou que redução da oferta no mercado doméstico no acumulado do ano até junho, de 2,2 por cento, ficou dentro da projeção de redução entre 3 e 1 por cento para 2014.

No segmento internacional, houve salto de 30,2 por cento na demanda e crescimento de 7,4 por cento na oferta no segundo trimestre. "A companhia mantém o foco em aumentar sua presença no mercado internacional, com novas rotas lançadas no trimestre entre São Paulo e Santiago (Chile), e Campinas (SP) e Miami (EUA).

Considerando apenas junho, a Gol afirmou que a procura por voos do grupo subiu 1,1 por cento na comparação anual, enquanto a oferta teve queda de 4,8 por cento.

(Por Alberto Alerigi Jr., edição de Priscila Jordão)

 
Logo da Gol fotografado na asa de um avião após decolagem no aeroporto de Belo Horizonte. 27/05/2014. REUTERS/Nacho Doce