Gol vai aderir a programa de aviação regional, dependendo de regras

segunda-feira, 28 de julho de 2014 13:39 BRT
 

Por Alberto Alerigi

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia aérea Gol pretende participar do plano do governo federal para expansão da aviação regional brasileira, dependendo das regras que regularão a atividade das empresas no segmento, afirmou o vice-presidente financeiro da empresa, Edmar Lopes, nesta segunda-feira.

Questionado por analista do setor se a empresa vai aderir ao Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR), Lopes respondeu: "Sim, mas depende da regulamentação. Mas até o momento as prévias mostram claramente que nos enquadraremos para termos direito a essa subvenção", disse.

O governo federal publicou mais cedo medida provisória que cria o PDAR, mas o programa ainda precisa ser regulamentado. A Secretaria de Aviação Civil (SAC), responsável pelo plano que prevê subsídios para empresas que aderirem ao programa, deve divulgar mais detalhes à imprensa na terça-feira.

"Olhamos com bons olhos a questão do estímulo à aviação regional. Traz mais passageiros para o sistema como um todo, mas precisamos ver a regulamentação", acrescentou o executivo.

Mais cedo, a Gol divulgou que teve alta de 27 por cento na receita por passageiro no segundo trimestre sobre o mesmo período do ano passado, o que fazia as ações da segunda maior companhia aérea do Brasil dispararem mais de 5 por cento na Bovespa às 12h50.

Segundo Lopes, o nível de confiança da diretoria da Gol nas estimativas de desempenho da companhia para 2014 "aumentou bastante nas últimas semanas".

A empresa divulgou no início do ano estimativa de alta de pelo menos 10 por cento na receita operacional medida pelo indicador "Rask" e queda entre 3 e 1 por cento na oferta de voos domésticos no Brasil.

No primeiro semestre, a oferta da empresa no mercado doméstico encolheu 2,2 por cento, enquanto a demanda subiu 9 por cento. O executivo não citou qual foi a performance de Rask no primeiro semestre.

Apesar da maior confiança nas previsões de desempenho da empresa em 2014, Lopes afirmou que o cenário para o segundo semestre indica "volatilidade".

"Temos mantido (as perspectivas). O segundo semestre está apenas no início. Temos cenário de eleições e vários setores têm acusado queda na atividade econômica", disse o executivo, acrescentando que o panorama da indústria de aviação está mais saudável que nos últimos dois anos.

 
Avião da Gol antes de pousar no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. 24/04/2014. REUTERS/Nacho Doce