Negociações por dívida argentina terminam sem acordo e default se aproxima

quarta-feira, 30 de julho de 2014 08:20 BRT
 

Por Daniel Bases e Jorge Otaola

NOVA YORK/BUENOS AIRES (Reuters) - Várias horas de negociações entre autoridades argentinas e investidores "holdout" acabaram sem uma resolução, afirmou o ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, em Nova York na terça-feira, um dia antes de o país enfrentar um possível default.

Kicillof deixou a reunião no escritório do mediador designado pelo tribunal em Manhattan por volta da 23h20 (00h20 da quarta-feira, horário de Brasília), e embora tenha dito que ambas as partes vão reunir-se novamente na quarta-feira, o mediador, Daniel Pollack, disse em comunicado que os detalhes de tal reunião ainda não foram definidos. Se um acordo não for alcançado, a Argentina corre o risco de outro default de suas obrigações soberanas.

"Não posso dar informações", disse Kicillof a repórteres. "Estamos trabalhando."

A reunião de terça-feira foi histórica já que foi a primeira vez que ambos os lados se reuniram frente a frente. Em comunicado, Pollack afirmou que seria decidido durante a noite se os dois lados iriam reunir-se na quarta-feira. Embora as partes tenham tido uma "franca troca de opiniões e preocupações", as questões que as dividem ainda não estão resolvidas, completou ele.

A NML Capital, unidade da Elliott Capital Management, e a Aurelius Capital Management, os dois fundos que estão no centro da batalha legal, disseram que estão dispostos a negociar um acordo. Eles tem de receber 1,33 bilhão de dólares, mais juros, segundo a decisão do juiz distrital norte-americano Thomas Griesa, que determinou que a Argentina pague os holdouts no mesmo momento que os investidores que concordaram com a reestruturação da dívida em 2005 e 2010.

 
Ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, após reunião em Nova York. 7/07/2014. REUTERS/Shannon Stapleton