30 de Julho de 2014 / às 23:45 / 3 anos atrás

BC de Portugal suspende executivos do BES e direito de voto de fundadores

LISBOA (Reuters) - O Banco de Portugal suspendeu todos os funcionários encarregados da fiscalização e supervisão do Banco Espírito Santo, alegando suspeita de que "atos prejudiciais de gestão" contribuíram para o prejuízo de 3,6 bilhões de euros no semestre, anunciado pelo banco nesta quarta-feira.

A autoridade financeira também suprimiu direitos de voto do Espírito Santo Financial Group, maior acionista do BES, na qual detém uma fatia 20 por cento em nome da família fundadora. O Banco de Portugal nomeou a PWC para liderar uma comissão de supervisão do BES até que os acionistas indiquem novos funcionários de auditoria interna.

O banco central português quer que o BES faça um aumento de capital em breve com uso de "soluções de mercado", mas uma linha de recapitalização pública continua a ser uma opção para garantir a solidez do banco, mesmo após perdas maciças.

O regulador acrescentou que "todas as condições necessárias estão à mão para o banco prosseguir suas atividades e para a proteção integral dos direitos dos depositantes".

Reportagem de Andrei Khalip

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below