Klabin espera 3º tri "mais fácil" com maior capacidade de produção

quinta-feira, 31 de julho de 2014 13:22 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - A Klabin espera um terceiro trimestre mais favorável que os três meses anteriores, em uma avaliação apoiada na perspectiva de alguma melhora na economia e de maior capacidade de produção da empresa, após parada para manutenção ter afetado seus resultados de abril a junho.

A manutenção programada para aumento de capacidade de papel cartão da máquina número 9 da Klabin em Monte Alegre (PR) levou mais tempo que o esperado e impactou o volume de vendas do produto no segundo trimestre, principalmente a parcela direcionada à exportação.

"Passou o segundo trimestre complicado e conseguimos nos virar bem em um cenário difícil. Obviamente torna-se mais fácil operarmos com as fábricas em ordem e capacidade elevada de cartões, o que nos dá mais ferramentas de trabalho", disse o diretor-geral da produtora de papel e embalagens, Fabio Schvartsman, em teleconferência para comentar os resultados divulgados na véspera.

Questionado por um analista se o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da companhia poderá voltar a um crescimento de dois dígitos, Schvartsman preferiu não dar estimativas, uma vez que ainda considera a economia brasileira "muito volátil". Ele, porém, garantiu que haverá avanço no atual trimestre.

"Depende de quanto vamos vender no mercado interno e como enfrentaremos a situação... mas posso garantir que, em qualquer caso, teremos elevação do Ebitda (no terceiro trimestre)", acrescentou. Caso o mercado interno ande de lado, a expectativa é de elevação das exportações.

No segundo trimestre, o Ebitda ajustado da empresa veio praticamente em linha com o esperado pelo mercado, a 334 milhões de reais.

A reforma da máquina de cartões em Monte Alegre resultou em capacidade adicional de 50 mil toneladas por ano para a empresa. A Klabin ainda espera mais ampliações de capacidade com a nova máquina de papel reciclado de Goiana (PE), de 110 mil toneladas por ano, e os desgargalamentos das máquinas de Piracicaba (SP) e Angatuba (SP), que adicionarão 50 mil toneladas por ano de papel reciclado.

Para o segmento de sacos industriais, Schvartsman disse que "o mercado de sacos está fraco e não vejo perspectivas a curto prazo de reversão".   Continuação...