Empresa dos EUA enfrenta incerteza após investir para atender Petrobras

sexta-feira, 1 de agosto de 2014 16:12 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Dresser-Rand, fornecedora norte-americana de equipamentos para o setor de petróleo, que construiu fábrica no Brasil de olho em contratos da Petrobras, teme não receber novas encomendas para sustentar sua situação no país e até o fechamento da unidade após cumprir contratos já firmados de 700 milhões de dólares, disse uma fonte da empresa à Reuters.

O cenário tornou-se duvidoso para a companhia, segundo a fonte, porque a Petrobras tem optado por contratar o afretamento de novas plataformas, no lugar de construí-las no país, sem a exigência de conteúdo local para os chamados turbomáquinas, importante componente produzido no Brasil pela Dresser-Rand.

Assim como a Dresser-Rand, a GE e a Rolls-Royce abriram recentemente fábricas de turbomáquinas no país para atender a Petrobras e com perspectivas de novas encomendas.

A queixa contra os afretamentos, que na avaliação da fonte têm sido mais frequentes, acontece num momento em que a estatal corre contra atrasos na entrega de unidades produtoras de petróleo por estaleiros brasileiros para atingir suas metas de extração.

"Se a Petrobras não exigir conteúdo local nas turbomáquinas dos afretados, as fábricas vão fechar", disse a fonte da Dresser-Rand, pedindo para não ser identificada.

As turbomáquinas --equipamentos como geradores de turbinas a gás, compressores de turbinas a gás e moto compressores-- ainda não têm exigências legais de conteúdo local no país, embora a Petrobras tenha exigido nos contratos com as três empresas.

As três fabricantes têm encomendas firmes com a estatal, para o fornecimento de turbomáquinas, que juntas somam quase 2 bilhões de dólares. As máquinas serão integradas a plataformas que entrarão em operação até 2018.

Mas a fonte da Dresser-Rand acredita que a falta de visibilidade para o futuro deixa o setor desanimado.   Continuação...