Incêndio atinge importante terminal de exportação de açúcar no porto de Santos

segunda-feira, 4 de agosto de 2014 07:42 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Um incêndio de grandes proporções atingiu armazéns de açúcar no porto de Santos operados pela Cosan na noite de domingo, mas o corpo de bombeiros informou na manhã desta segunda-feira que o fogo havia sido controlado e o rescaldo tinha sido iniciado por volta das 4h.

O fogo irrompeu no terminal de açúcar na tarde de domingo e uma dúzia de caminhões do corpo de bombeiros foi deslocada para o local, disse o sargento Rodrigues dos Santos à Reuters.

Pela manhã, os bombeiros ainda não tinham detalhes dos danos causados pelo incêndio.

Representantes da Cosan, maior produtora de açúcar do Brasil, não estavam disponíveis imediatamente para comentar.

Em outubro do ano passado, um incêndio causou grandes estragos no terminal de exportação da Copersucar, maior trader de açúcar do Brasil, elevando rapidamente os preços dos contratos futuros da commodity em 6 por cento e fazendo a empresa emitir um comunicado de força maior a seus clientes.

Não havia informações de que o incêndio de domingo tenha se espalhado para além dos armazéns controlados pela Rumo, unidade de logística da Cosan no porto. O terminal da Copersucar, que ainda recebe reparos pelo incêndio de outubro, fica próximo aos armazéns da Rumo.

A perda do açúcar nos armazéns da Rumo, que tem capacidade para 550 mil toneladas, deve causar menos preocupações do que o potencial dano à capacidade de exportação do terminal de 12 milhões de toneladas de açúcar ao ano. O incêndio deve causar no curto prazo uma interrupção no carregamento de navios no terminal da Rumo. Segundo o site do jornal A Tribuna, os bombeiros lutavam contra o fogo nos armazéns 5 e 10. O Brasil, maior produtor e exportador mundial de açúcar, está no meio da safra de cana do Centro-Sul, que deve produzir entre 32 milhões e 34 milhões de toneladas de açúcar, levemente abaixo das estimativas iniciais, devido ao impacto da seca atual.

(Reportagem de Reese Ewing e Roberto Samora)