Portugal fará resgate de 4,9 bi de euros de Banco Espírito Santo

segunda-feira, 4 de agosto de 2014 07:33 BRT
 

Por Sergio Goncalves

LISBOA, 4 Ago (Reuters) - Portugal irá gastar 4,9 bilhões de euros (6,58 bilhões de dólares) para resgatar seu maior banco listado, testando a resiliência da zona do euro a outra crise bancária apenas meses após Lisboa sair de um resgate internacional.

O resgate do Banco Espírito Santo (BES), que foi revelado após um fim de semana de discussões entre autoridades de Portugal e da União Europeia, vem após semanas de notícias ruins sobre o estado financeiro do banco, particularmente sua exposição a uma série de companhias lideradas pela família fundadora Espírito Santo.

Com o plano, o BES será dividido em um "banco bom", renomeado como Novo Banco, e um "banco ruim", que ficará com a exposição do BES ao problemático império de negócios Espírito Santo, assim como sua subsidiária angolana.

As perdas do banco ruim serão de responsabilidade dos detentores juniores de títulos de dívida e acionistas, incluindo a família Espírito Santo, que tem uma fatia de 20 por cento, e o banco francês Crédit Agricole, com fatia de 14,6 por cento.

O Novo Banco será recapitalizado em 4,9 bilhões de euros por um fundo de resolução bancária especial criado em 2012. O governo português emprestará 4,4 bilhões de euros ao fundo. Todos os depositantes do BES serão protegidos, assim como os detentores sênior de bônus do BES.

O banco central de Portugal, que há apenas alguns dias disse que o BES poderia ser recapitalizado por investidores privados, afirmou que o plano não envolveria custos aos cofres públicos porque o empréstimo será temporário.

O Banco de Portugal espera que o governo seja reembolsado quando o Novo Banco for eventualmente vendido a investidores privados.

"O plano não carrega risco para as finanças públicas ou contribuintes", disse o presidente do Banco de Portugal, Carlos Costa, a jornalistas em Lisboa.