Cepal reduz previsão de expansão da América Latina e Caribe, influenciada por Brasil e México

segunda-feira, 4 de agosto de 2014 12:38 BRT
 

SANTIAGO (Reuters) - A economia da América Latina e do Caribe crescerá cerca de 2,2 por cento em 2014, nível abaixo do cálculo anterior, por um desempenho pior do Brasil e do México, em meio ao menor dinamismo da demanda interna e externa da região, projetou nesta segunda-feira a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

A nova estimativa da Cepal é menor que a expansão de 2,7 por cento prevista em abril.

O dinamismo menor é explicado pela "fraqueza da demanda externa, baixo dinamismo da demanda interna, investimentos insuficientes e um espaço limitado para a implementação de políticas que impulsionem uma retomada", disse a Cepal.

Na revisão para baixo, o rendimento menor previsto para o Brasil, a maior economia do bloco, teve um impacto especial. A previsão para o Brasil é de um crescimento de 1,4 por cento neste ano, ante uma estimativa anterior de 2,3 por cento.

O México, a segunda maior economia da região, crescerá 2,5 por cento em 2014, uma queda ante uma estimativa anterior de 3 por cento.

(Reportagem de Antonio de la Jara e Anthony Esposito)