Yara compra 60% da brasileira Galvani de fertilizantes

terça-feira, 5 de agosto de 2014 11:10 BRT
 

OSLO (Reuters) - A Yara fechou acordo para comprar uma participação de 60 por cento na fabricante brasileira de fosfatados Galvani em um negócio de 390 milhões de dólares, incluindo compromissos futuros de aumento da fatia. Com o acordo, a empresa de fertilizantes norueguesa amplia ainda mais a presença em seu principal mercado.

A Yara pagará ao empresário brasileiro Rodolfo Galvani Jr. 225 milhões de dólares pela participação e se comprometeu a injetar 165 milhões de dólares em capital novo na Galvani, além de ter concordado em investir cerca de 550 milhões de dólares até 2019 no desenvolvimento de minas da companhia.

"A aquisição representa mais um passo significativo na concretização de nossa estratégia de crescimento na América Latina, fortalecendo nossa posição no Brasil", disse o presidente da Yara International, Joergen Ole Haslestad, em nota.

O porta-voz da Yara Thor Giaever disse que a empresa também tem a opção de comprar os 40 por cento restantes da Galvani, mas somente após a conclusão dos projetos de expansão, com o preço da opção relacionado a resultados futuros.

O acordo ocorre um ano após a Yara ter completado a aquisição do negócio de fertilizantes da Bunge no Brasil por 750 milhões de dólares, com a qual ficou com 22 instalações de mistura de fertilizantes em todo o país, além de alguma capacidade de produção.

A Galvani tem capacidade de produção de super fosfato simples de cerca de 1 milhão de toneladas por ano em seus complexos industriais de Paulínia (SP) e Luís Eduardo Magalhães (BA). As duas unidades utilizam rocha fosfática originária de minas em Minas Gerais e Bahia e Irecê.

Para cobrir a demanda futura de rocha fosfática, a Galvani tem projetos para ampliar a produção em mais de 2 milhões de toneladas por ano em Salitre (MG), Angico (BA) e Santa Quitéria (CE).

"As métricas de avaliação parecem razoavelmente altas, mas a empresa é especializada na cadeia de distribuição de fertilizantes super fosfato simples, que vê forte crescimento no Brasil", disse a corretora Liberum em uma nota. "A Galvani também tem produção integrada de rocha fosfática, o que permite margens sólidas", acrescentou.

O porta-voz da Yara disse que há mais oportunidades de consolidação no Brasil e na América Latina, mas não quis comentar se a empresa faria mais aquisições no futuro próximo.   Continuação...